Raízes

novembro 12, 2008




Chegança

Sou Pataxó,
sou Xavante e Cariri,
Ianomâmi, sou Tupi-guarani,
sou Carajá.
Sou Pancararu,
Carijó, Tupinaé,
Potiguar, sou Caeté,
Fulniô, Tupinambá.

Depois que os mares
dividiram os continentes,
quis ver as terras diferentes
Eu pensei: "Vou procurar
um mundo novo
lá depois do horizonte.
Levo a rede balançante
pra, no sol, me espreguiçar.

Eu atraquei
num porto muito seguro,
céu azul, paz e ar puro...
Botei as pernas pro ar.
Logo sonhei
que estava no paraíso,
onde nem era preciso
dormir para se sonhar.

Mas, de repente,
me acordei com a surpresa:
uma esquadra portuguesa
veio, na praia, atracar.
Da grande nau, um branco
com barba escura,
vestindo uma armaduro,
me apontou pra me pegar.

E, assustado,
dei um pulo da rerde;
pressenti a fome, a sede;
eu pensei: "Vão me acabar".
Me levantei
de borduna já na mão,
aí senti no coração:
o Brasil vai começar.

(Antônio Nóbrega e Wilson Freire)

Posts relacionados

2 comentários

  1. Tenho uma certa afeição ao tema índígena e afro, em fim, ao que se trata do étnico. Acredito que essa minha tendência não vem de algo excepcional ou externo, mas de minhas raízes, afinal:
    "Em minhas veias correm portugueses, espanhóis, italianos, índios, negros, cafusos, mamelucos... Quando discrimino alguém, estou negando a mim mesmo." (Ivan Santtana)

    ResponderExcluir
  2. É interessante a colocação do eu-poético, neste poema. O eu do poema se mistura com eu de nós mesmos e desde o começo nos vemos ali descritos...estamos lendo sobre nós mesmos, é mais uma faceta nossa exposta de forma belíssima, é mais um conceito de quem sou eu, exposta ali na minha cara... É incrível e agradável a identificação que meu "eu" tem com aquele "eu". Escolhi o título "Raízes" para a postagem porque a identificação da qual falo, consequentemente trouxe a sensação da descoberta de minha origem. Isso mesmo: descoberta. Estamos cansados de saber que indígenas são nosso lado nativo, patriotamente falando, mas digo "descoberta" porque um poema foge do completo racional... e é essa a catarzes que o mesmo me provoca: descobri o que já sabia, ou, entendi o que presentia...
    Elãine Tereza

    ResponderExcluir

Instagram @blogelainetereza